Ultrapassei o limite de faturamento do MEI. E agora?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

O que acontece caso eu ultrapasse o limite de faturamento do MEI? Descubra aqui o que você deve fazer caso isso ocorra com sua empresa!

O Microempreendedor Individual, ou MEI, é um modelo de negócio pensado para regularizar a situação de quem já trabalha por conta própria de maneira informal ou está começando o seu próprio negócio e tem um faturamento de até R$ 81 mil por ano. Para se enquadrar no MEI, além do limite de faturamento, o empreendedor não pode ter sócios e pode registrar apenas um funcionário.

Esse quadro é ideal para começar a empreender, afinal a empresa fica regularizada, os tributos são reduzidos e o empreendedor tem benefícios trabalhistas e previdenciários, como auxílio doença, aposentadoria por invalidez, entre outros. Mas à medida que a empresa vai se estabelecendo no mercado, vão chegando novos clientes, novos contratos, novas parcerias e é comum o faturamento do MEI ir aumentando também. Até que ultrapassa o limite de R$ 81 mil estabelecido pelo MEI. E agora, como fazer essa transição do MEI para Microempresa ou Empresa de Pequeno Porte?

Ultrapassei o faturamento do MEI: Como prosseguir?

Se o faturamento ultrapassou os R$ 81 mil em até 20%, ou seja, chegou até R$ 97,2 mil, o empreendedor continuará sendo classificado como MEI e continua pagando o DAS fixado normalmente até o mês de dezembro. Quando for feita a Declaração Anual do MEI, é gerado um DAS complementar referente ao valor que foi ultrapassado. E no mês de janeiro, o empreendedor já deixa de ser considerado MEI e passa a ser uma Microempresa, inclusive recolhendo impostos como tal.

Caso o faturamento ultrapasse em mais de 20%, já no mês seguinte o empreendedor é retirado do MEI. Ele então passa a ser enquadrado como microempresa (ME) – se a receita bruta for até R$ 360 mil – ou empresa de pequeno porte (EPP) – se a receita for maior. A grande diferença nesse caso é que o empreendedor passa a pagar o Simples Nacional retroativo ao mês de janeiro ou ao mês da sua formalização.

Transição do MEI para Microempresa

Outra possibilidade de transição do MEI para outra classificação pode acontecer quando o empreendedor deseja colocar um sócio no negócio ou aumentar sua equipe de colaboradores, assim a transição seria por opção.

Entretanto, em nenhum desses casos a saída do MEI para se enquadrar como ME ou EPP acontece de forma automática. É preciso acessar o portal do Simples nNacional para fazer o desenquadramento. A partir do momento que ele é concluído, o empreendedor passa a pagar os tributos do Simples Nacional, com percentuais de 4%, 4,5% ou 6% sobre o faturamento mensal. A porcentagem varia de acordo com a atividade exercida: comércio, indústria ou serviços.

Ao fazer essa transição é importante contar com o auxílio de um contador. Ele poderá orientar quanto a escolha da natureza jurídica, o regime tributário adequado para seu negócio, fazer o planejamento tributário e cuidar de todas as questões mais burocráticas.


E aí, você já ultrapassou o faturamento do MEI ou teve algum caso parecido em sua empresa? Comente e participe para que possamos melhorar, cada vez mais os conteúdos do Abertura Simples.

Escrito por

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Manual para Abrir Empresa

Faça como mais de 40 mil empreendedores. Baixe agora mesmo o Manual Completo Para Começar Seu Próprio Negócio.

No comment yet, add your voice below!


Faça um Comentário