DIRF 2019 – Entenda as novas regras dessa declaração

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Saiba quais foram as principais alterações do DIRF 2019:

A DIRF (Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte) é uma obrigação tributária acessória que deve ser entregue por empresas. Ela possui informações de cunho tributário que devem ser submetidas á Receita Federal anual, com o intuito de esclarecer os dados relativos às retenções, aos pagamentos e créditos do Imposto de Renda retido na fonte.

Como ela é considerada acessória, caso não ocorra o cumprimento, pode gerar multas ou demais sanções aplicadas pela receita. Por isso, quem utiliza essa declaração, deve garantir que os dados estejam alinhados com o Imposto de Renda, já que a Receita Federal utiliza o DIRF para detectar qualquer inconsistência que possa vir a ocorrer.

No DIRF 2019 ocorreram algumas mudanças , além de que no dia 08/10/2018, o Diário Oficial da União publicou a a Instrução Normativa RFB nº 1.836, de 2018 que detalha mais sobre quais as regras para enviar a declaração. Mas é importante frisar que isso não é um pagamento de impostos e serve com um controle da Receita Federal para manter evitar sonegações.

DIRF 2019 – Saiba tudo sobre a declaração e suas mudanças

Entenda quais foram as principais alterações:

1 – previsão de obrigatoriedade de declaração das informações referentes aos beneficiários de rendimentos de honorários advocatícios de sucumbência, pagos ou creditados aos ocupantes dos cargos de que trata o caput do art. 27 da Lei nº 13.327, de 2016, das causas em que forem parte a União, as autarquias e as fundações públicas federais;
2 – exclusão da obrigatoriedade de apresentação da Dirf 2019 pelas pessoas jurídicas de que trata a Lei nº 12.780, de 9 de janeiro de 2013, relacionadas à organização dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016.

Prazos, multas e onde devem ser apresentado

A DIRF 2019 refere-se ao decorrente de 2018 e deve ser apresentada até 28/02/2019 às 23:59. Caso isso não aconteça por falta de cumprimento de datas ou erros de digitação da declaração, a multa é de 2% ao mês-calendário ou fração. Existe também multas aplicadas às pessoas físicas, jurídica, que possuam o Simples Nacional ou Simples, será de R$ 200,00 e nos demais casos apenas R$ 500,00. Esses valores poderão ser reduzidos para:

  • 50% quando essa declaração for apresentada após o prazo obrigatório, mas antes da data de procedimento do ofício;
  • 25% quando for apresentada a declaração até o prazo fixado na intimação.

Essa declaração deve ser apresentada por meio do Programa Gerador de Declarações – PGD DIRF 2019 – de uso obrigatório.

Para quem é obrigatório?

Esse tipo de declaração é obrigatório para pessoas jurídicas e físicas que pagaram ou creditaram rendimentos sobre os quais tenham incidido retenção do IRRF.

Também é obrigatório para:

  • Matrizes pertencentes a pessoas jurídicas
  • Empresas Individuais
  • Condomínio de edilícios
  • Filiais ou representação de pessoas jurídicas que possuem sede no exterior
  • Titulares de serviços notariais e de registro

Importante: O MEI não precisa fazer a DIRF já que ele não faz a declaração de imposto de renda.

Fonte: Receita Federal


E aí, conseguiu entender como funcionará o DIRF 2019? Sabe de alguém que irá declará-lo ou ainda tem alguma dúvida sobre isso? Comente e continue sempre atento aos novos conteúdos do Abertura Simples.

Escrito por

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Guia de Vendas na Contabilidade

Faça como mais de 30 mil contadores. Baixe agora mesmo o Guia de Vendas na Contabilidade e começe a tracionar seu escritório hoje mesmo.

No comment yet, add your voice below!


Faça um Comentário