Entenda como o fim da desoneração na folha de pagamento afetará as novas contratações em alguns setores

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Com o fim da desoneração na folha de pagamento, algumas mudanças irão ocorrer. Saiba mais:

A folha de pagamento é uma lista de remuneração paga aos colaboradores de um empresa.

Nela existem alguns impostos que por lei, devem ser pagos, como o INSS. Também consta as informações trabalhistas de cada funcionário, a representação do salário líquido, pagamento bruto e a tradução dessas informações em dados contábeis.

Desde 2011 existe um tributo nas folhas de pagamento que foi instituído, conhecido como desoneração da folha de pagamento e consiste na substituição da incidência da contribuição previdenciária patronal sobre folha de salários pela incidência sobre o faturamento.

Em maio de 2018, foi sancionada uma lei que regulamenta a desoneração com vetos que eliminaram o benefício de 39 setores.

Fim da desoneração

Essa mudança que ocorreu em maio se deu quando o Governo Temer quis encerrar a os bloqueios dos caminhoneiros e assim zerou a cobrança de tributos Cide sobre o diesel e PIS-confins.

Com isso, houve uma pressão para a aprovação de projetos que estavam parados e assim conseguiu a aprovação da desoneração da folha de pagamento que aumenta a carga tributária que incide na contribuição das companhias à aposentadoria do trabalhador.

A partir do dia 1º de setembro, essa lei estará vigente e afetará 39 setores que terão o benefício eliminado.

Acontece que, os setores que participam desse programa podem substituir a contribuição previdenciária de 20% sobre a folha de pagamento pela contribuição sobre receita bruta (CPRB) + alíquota de 1% a 4,5%.

Dentre os setores que permaneceram com a folha desonerada estão:

  • Call Center
  • Comunicação
  • Transporte Rodoviário Coletivo
  • Têxtil
  • Transporte Metroferroviário de passageiros

Como funciona o CPRB?

A CPRB é a Contribuição sobre Receita Bruta, é calculada  com uma basa da renda bruta e sobre ela deverá ser aplicada a correspondente alíquota do setor de atividade.

Esse tributo é recolhido a partir do Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF) até o dia 20 do mês seguinte a folha de pagamento.

Futuro das folhas de pagamento

A projeção é de que apenas 17 dos 56 setores permaneceram com as folhas de pagamento desoneradas até 2020 e então será extinto para todos.

O projeto agora é para inteirar a reoneração, que com essas mudanças, já tem uma estimativa de economizar R$830 milhões este ano.

Os setores reonerados voltarão a contribuir para o INSS com 20% sobre a folha de pagamento.

De acordo com o G1, o governo reduziu os créditos para os concentrados de refrigerantes e cortou gastos públicos com o objetivo de viabilizar o preço do diesel e seguir ajustando as reivindicações que os caminhoneiros requisitaram durante a greve.


Entendeu um pouco mais sobre como funcionará o fim da desoneração na folha de pagamento? Tem alguma dúvida ou algum comentário que pode acrescentar mais sobre esse tema? Comente aqui e compartilhe essa publicação para que mais pessoas possam estar por dentro desse assunto e fique sempre atento as novas publicações da Abertura Simples.

Escrito por

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Guia de Vendas na Contabilidade

Faça como mais de 30 mil contadores. Baixe agora mesmo o Guia de Vendas na Contabilidade e começe a tracionar seu escritório hoje mesmo.

No comment yet, add your voice below!


Faça um Comentário