Saiba tudo sobre a DIRF: O que é e como entregar a declaração no prazo!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Saiba o que é a DIRF (Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte) e também como fazer para entregá-la

Com o início do ano, chegam também as várias obrigações tributárias acessórias devidas pelas empresas. Entre os malabarismos que todo empreendedor precisa fazer para cumprir com a carga de impostos de seu negócio existem aqueles que impactam sobre a folha de pagamento dos funcionários.
Esse é o caso da DIRF, uma obrigação tributária que também ajuda a combater a sonegação fiscal. Neste post, vamos apresentar algumas informações essenciais para que você entenda perfeitamente e saiba como fazer a declaração de forma correta. Continue lendo:

O que é DIRF?

A Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte, a DIRF, é uma obrigação tributária acessória de toda fonte pagadora. Seu objetivo é informar à Secretaria da Receita Federal os rendimentos pagos a pessoas físicas e jurídicas domiciliadas no país. Além disso, o montante do Imposto de Renda e das Contribuições retidas na fonte, os pagamentos a planos de saúde contratados pela empresa em benefício de seus funcionários, e também de informações relacionadas a pagamentos e remessas a residentes ou domiciliados no exterior.
Esta declaração é um instrumento de combate à sonegação fiscal tanto por pessoas jurídicas quanto pessoas físicas. Após entregar a declaração, o empreendedor também deve informar seus funcionários que, no ano passado, receberam valor igual ou superior a R$ 28.559,70.

Quem deve entregar a DIRF?

A Declaração deve ser entregue por pessoas físicas e jurídicas que efetuam a retenção na fonte do imposto de renda e das contribuições incidentes sobre a folha de salário de seus funcionários. Os seguintes indivíduos devem se comprometer com a entrega da DIRF:

  • Pessoas jurídicas de direito privado, inclusive as isentas ou imunes;
  • Pessoas jurídicas de direito público;
  • Pessoas físicas;
  • Empresas individuais;
  • Condomínios edilícios;
  • Comitês financeiros dos partidos políticos.

Obrigatoriedade do uso do Certificado Digital

Todas as pessoas jurídicas estão obrigadas à utilização do Certificado Digital para que possam enviar a DIRF. Com exceção daquelas optantes pelo SIMPLES Nacional, os condomínios edilícios, as pessoas físicas e os cartórios administrados por pessoas físicas.

Como fazer o envio da DIRF?

A Receita Federal disponibiliza no próprio site um programa específico para ajudar o contribuinte no preenchimento, validação e envio da DIRF. Ele se chama Programa Gerador da Declaração. Uma nova versão é feita todos os anos a fim de informar as últimas alterações tributárias presentas na declaração. Por isso, é preciso que o contribuinte atualize o programa anualmente antes do prazo de entrega da DIRF. Você pode acessar o Programa Gerador da Declaração DIRF clicando AQUI.

Qual é o prazo para entregá-la?

As regras para a Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte relativa ao ano-calendário de 2017 foram publicadas por meio da Instrução Normativa RFB 1.757/2017, em 13 de novembro de 2017, no Diário Oficial da União. Por esse instrumento, ficou definido que a DIRF 2018 deve ser apresentada até as 23h59 do dia 28 de fevereiro de 2018.
Em 2017, em razão da demora da Receita Federal em liberar o aplicativo para download, o prazo de declaração foi ampliado. Contudo, é pouco provável que isso aconteça em 2018, portanto programe-se para ter tudo pronto até no máximo na primeira quinzena do mês de fevereiro.

O que acontece se não entregar a DIRF no prazo?

Quem deixar de apresentar a declaração até o prazo estabelecido, dia 28 de fevereiro, estará sujeito à multa. Ela será de 2% a 20% ao mês calculada sobre o montante do imposto de renda a ser informado na declaração.
Caso a entrega da DIRF ocorra depois do prazo, mas antes da intimação, o contribuinte poderá ter a multa reduzida em até 50%. Se ela for entregue no prazo da intimação, a multa poderá ser reduzida em até 25%.
As multas não podem ser inferiores a R$ 200,00 para pessoas físicas, pessoas jurídicas inativas ou optantes do Simples Nacional. Nas demais situações, a cobrança não deve ser menos do que R$ 500,00.


E aí, conseguiu tirar todas suas dúvidas sobre a DIRF? Terá de lançá-la esse ano? Então fique atento aos prazos! Caso tenha alguma sugestão ou pergunta, comente e participe para que possamos melhorar, cada vez mais, os conteúdos do Abertura Simples.

Escrito por

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Guia de Vendas na Contabilidade

Faça como mais de 30 mil contadores. Baixe agora mesmo o Guia de Vendas na Contabilidade e começe a tracionar seu escritório hoje mesmo.

No comment yet, add your voice below!


Faça um Comentário